Teste da Orelhinha: Entenda os benefícios

teste da orelhinha

O Teste de Triagem Auditiva Neonatal, também conhecido popularmente como Teste da Orelhinha, é um exame muito importante que tem como objetivo detectar no recém-nascido, problemas ou deficiências auditivas. Neste artigo, abordaremos as principais questões e temas relacionados ao Teste da Orelhinha e mostraremos como ele vem contribuindo com a qualidade dos diagnósticos da saúde auditiva, dos primeiros dias de vida dos recém-nascidos.

O Teste de Triagem Auditiva Neonatal foi desenvolvido internacionalmente, analisando e determinando padrões para os quatro cantos do mundo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) se orgulha do desenvolvimento de um teste tão simples, mas que ao mesmo tempo seja tão útil e difundido.

É de se considerar a grande importância que a audição desempenha em nossas vidas, tanto no aspecto social, como na aprendizagem e formação intelectual. Por isso, o maior benefício do teste é garantir que os recém-nascidos tenham uma vida sem perdas auditivas, mesmo que para isso sejam necessários tratamentos, implantes ou sessões de terapia com médicos otorrinolaringologistas ou fonoaudiólogos.

O CFF (Conselho Federal de Fonoaudiologia) recomenda que o teste seja realizado ainda na maternidade antes da alta hospitalar do bebê. Além disso, também existe uma lei federal que obriga a realização dos testes em todos os hospitais do Brasil.

Quem deve fazer o teste da orelhinha

quem-faz-teste-de-orelinha

De acordo com a Lei 12.303 do ano de 2010, a realização do Teste de Triagem Auditiva Neonatal é obrigatório e deve ser realizado gratuitamente em todos os hospitais e maternidades do território nacional. Não existe contraindicação para o Teste da Orelhinha que além de rápido, é indolor.

A audição é fundamental para que a fala, linguagem e aprendizagem se desenvolvam. Sendo assim, quando o teste detecta problemas ou anomalias, o bebê deve ser encaminhado para diagnósticos mais profundos, com acompanhamento de otorrinolaringologistas. É somente nessa fase que é possível afirmar com certeza se há perda auditiva e determinar o grau de severidade.

É comum que alguns bebês sejam encaminhados para diagnósticos mais profundos por causa de anomalias notadas no Teste de Orelhinha. Então, mesmo que essa segunda avaliação (feita pelo especialista da área) classifique o recém-nascido como saudável, é sempre recomendável “pecar pelo excesso de cautela”.

Mas caso problemas auditivos sejam de fato verificados, a família receberá orientações sobre os próximos passos.

Quais os benefícios do teste da orelhinha

Ao considerarmos que seis entre 1.000 recém-nascidos apresentam deficiência auditiva, devemos levar em conta o Teste da Orelhinha como primordial na vida de todos os bebês.

Alterações, anomalias ou problemas auditivos, quando diagnosticados em estágio inicial (sendo este até os 6 meses de vida), garantirão uma vida livre de prejuízos tanto sociais como cognitivos. Já os diagnósticos mais tardios (que acontecem mais ou menos aos 3 anos de idades), mesmo sendo ainda na fase infantil, mostram perdas significativas na construção da linguagem e capacidade de comunicação.

Sendo assim, o maior benefício do Teste da Orelhinha é garantir que o recém-nascido com alterações auditivas tenha as mesmas oportunidades e passe pelas intervenções necessárias. Dessa maneira o aprendizado de quem sofre com a perda é a mesma de uma criança sem disfunções.

Como é feito o teste da orelhinha

como-e-feito-o-teste-de-orelinha

O Teste da Orelhinha é bastante simples, todavia precisam ser aplicados por médicos ou fonoaudiólogos. O teste é aplicado por meio de fones de ouvidos colocados nas orelhinhas do recém-nascido. Assim, através dele, são emitidos estímulos sonoros registrados em forma de resposta auditiva.

O processo que analisa a contração e distensão das células cocleares (aquelas responsáveis pela captação dos sons). Ele é rápido, dura normalmente de 3 a 5 minutos, e não provoca nenhum desconforto ao bebê. O teste pode ainda ser aplicado no bebê enquanto ele dorme, o que garante que o teste não incomoda a criança.

Com o Teste da Orelhinha podem ser analisadas alterações na cóclea e nas células ciliadas (que são responsáveis pela captação das ondas e vibrações sonoras). Vale lembrar que essas células mesmo danificadas, são produzidas novamente pelo nosso organismo.

Entretanto, um estudo publicado na “Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS)” mostrou que, para restaurar a audição não basta apenas regenerar as células ciliadas externas perdidas, mas também é necessário organizá-las.

É importante lembrar que existem fatores que podem alterar o resultado do Teste da Orelhinha.

Bebês diagnosticados com as síndromes de Waardenburg, Alport, Pendred ou que tenham nascido com má formação de orelha ou ossos da face também podem ter os resultados do Teste da Orelhinha alterados. Se a mãe do bebê teve alguma infecção durante a gravidez como toxoplasmose, rubéola, herpes, HIV e outras, devem ter o Teste da Orelhinha Analisados mais profundamente.

Por último, vale lembrar que o citomegalovírus, a herpes, o sarampo, a varicela e a meningite também são doenças que podem alterar os resultados obtidos pelo Teste da Orelhinha. Isso não é uma regra, mas precisa ser considerado pelo profissional da saúde que conduzirá o teste.

O que fazer após o teste?

aparelho-auditivo-para-bebes

Após o Teste de Triagem Auditiva Neonatal, caso o bebê venha a apresentar perda auditiva confirmada, o recém-nascido e a família serão encaminhados para um programa de intervenção precoce.

O objetivo de tal programa é orientar e preparar a família para a necessidade do uso de aparelhos de amplificação, implantes cocleares e/ou necessidade de terapias fonoaudiológicas.

Portanto o profissional em fonoaudiologia possui um grande e importante papel em todas as fases do processo. Seja no diagnóstico de detecção, na confirmação da perda auditiva ou na intervenção, mesmo que precoce.

Caso você ainda possua dúvidas sobre o Teste da Orelhinha, não deixe de buscar informações com o médico que acompanha sua gravidez. O corpo médico do hospital e a equipe de enfermeiros também podem ajudar você com dúvidas relacionadas ao assunto e, assim, esclarecer todas suas questões ou preocupações.

 

 



Mais de Centro Auditivo Viver